Foi engano (4) – Edição Olímpica

17/03/2010

Tá virando palhaçada. Eu sei que não tenho escrito sobre mais nada ultimamente, mas como vocês podem me culpar? Olha o que chegou hoje:

from    Maria Antonia – Aktuell <maria.antonia@xxxxxxx.com>
to    gmartins@xxxx.com,
ritasfreitas@xxxx.com
date    Wed, Mar 17, 2010 at 11:48 AM
subject    APROVAÇÕES – aplicação da marca.

Olá Alex e Rita,

Precisamos, por gentileza de uma rápida aprovação dos itens anexo para o evento. São eles:

– Bóias

– Flâmulas

– Gradil

Vcs conseguiriam isso ainda hoje?

Aguardo,

Muito Obrigada
Maria Antonia

boia rioturPrintwind banners riotur

E aí? Aprovo ou não? As Olimpíadas de 2016 podem estar dependendo disso!

Continue lendo »

Anúncios

Foi engano (3) – Edição escolar

15/03/2010

Pra vocês verem que esse negócio de receber email errado não é brincadeira. Desde 2008, eu venho recebendo emails variados de uma turma de estudantes que me manda seus trabalhos. Não sei nem de onde são, mas já respondi ofensivamente às vezes e não adiantou muito – ignorar deu mais resultado. Copio aqui para vosso deleite algumas das correspondências do gênero.

Continue lendo »

Foi engano (2)

11/03/2010

Por outro lado, os emails errados que eu recebo, publico sem pestanejar. Ainda mais quando sou copiado por ter email parecido, “just in case”.

from Laura < laura@xxxxxxxx.com.br >
to gmachadomartins@xxxx.com
cc gmartins@xxxx.com
date Thu, Mar 11, 2010 at 8:37 AM
subject Proposta para Locação de Plataforma

PARA : NORCONTROLA/C : SR. GUILHERME MACHADO

Agradecemos vossa consulta e oportunidade de participar de vossa pesquisa de preços , seguindo em anexo nosso orçamento para Locação de Equipamentos .

Estamos a disposição para esclarecer quaisquer dúvidas que venham a surgir .

Segue em anexo a confirmação de locação para ser devidamente preenchida e enviada por fax/e-mail.

Laura Silva
Tel. 12 xxxx.9400
Cel. 12 xxxx.0102

Cunzolo
tocando o céu, trabalhando na terra

“Locação de plataforma”? “Tocando o Céu, trabalhando na terra”? Uma petrolífera católica? Um gif em homenagem ao dia de hoje:

Quaaase

Quaaase

Protegido: Cala-te, boca

11/03/2010

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

Lord help me now

09/03/2010

Ia colocar esse na coleção “Foi engano”, porque eu estou bastante certo de não ter dado meu email pra nenhum mailing da Bola de Neve, mas achei que era esticar demais o conceito. De toda forma, chegou pra mim e achei digno dividir:

Rodolfaithful

Rodolfaithful

Nove anos já, dios mio. Pior que nem é o primeiro email que eu recebo dele. A gente esteve em Maringá uma semana antes e já estávamos sabendo que ele viria, como essa imagem comprova.

Outra coisa que eu estou bastante certo é que ele tinha um site mto ’02 feelings, um quarto com objetos que se mexiam conforme o mouse passava em cima (guitarra para músicas, gaveta para fotos etc.). Mas pelo visto, o domínio foi dessa pra melhor. Em todo caso, se você não pode resistir ao chamado, aqui está o MySpace dele.

Why of course

Why of course

Foi engano (1)

08/03/2010

Pra dar moral à minha promessa de reativar a bagaça, vou apelar para o acaso. Começo aqui uma catiguria nova, de coisas que chegam na minha caixa postal por engano. É, porque eu tenho um login de email meio comum demais (gmartins), e como a família Martins não é das menores, volta e meia chega coisa pro Guilherme Martins, Gilda Martins, Gabriel Martins etc etc. Gente que obviamente eu não faço ideia quem seja, cujo email desconheço, mas vai que por um desses acasos do desengano eles não encontram aqui o que lhes era de direito desde o princípio, né.

Porque não, eu não respondo dizendo que era engano. A teoria do caos preconiza que, se eu o fizer, uma cadeia irresistível de eventos vai causar mais um terremoto no Haiti. E você não quer que isso aconteça, quer? Foi o que pensei.

Continue lendo »

Gif animado cachorro noir

07/03/2010

Eu ia titular “Tá quase saindo”, mas considerando meu prognóstico, esses duplos sentidos não favorecem o interesse geral da parada. Enfim, quero dizer que estou quase voltando, mesmo. Se houvesse alguma maneira de postar durante os momentos em que estou dirigindo (que não fosse ilegal ou muito cara), eu juro que já teria escrito bem mais por aqui. A inspiração está voltando! Yeah, right.

Esse blog virou um blog de pedidos de desculpas, né? Até pensei em mudar o nome pra “Missing Deadlines”, hahaha. Um gif em homenagem a isso. Com três tags que eu nunca imaginei viverem juntas. Obrigado, @fonsecat : D
Continue lendo »

Eu voltarei

14/01/2010

Enquanto isso, pirem como eu pirei

Gif animado conceitual

Gif animado conceitual

Autoconvencimento é tudo

This is not the end

11/08/2009

Gentil que sou, esqueci de avisar que esse blog tá em recesso até o meio de setembro. Na falta de um emprego, agora estou com três, logo, one of the hobbits has to go.

Ah, e entregando o “mistério” que eu fiz aqui uns posts atrás: eu tinha sido convidado pra um teste de VJ na PlayTV. HAHAHA. Juro. Mas não rolou. Sigo me descobrindo a nível de roteirista mesmo, e tá bem legal.

Mas não percam a motivação!

Voltamos em breve!

Voltamos em breve!

Solitariedade seletiva

01/07/2009

Inspirado, talvez, pelo recém-nascido blog da Lígia (bem bom, colem lá), estou tentando fazer posts com mais de 20 palavras agora. E o tema desse é propício, super do momento: “ser político” na internêt.


Auto-jabá contextualizado: eu acho mesmo que essa música tem a ver com o assunto, reparem na letra

Ninguém vai acreditar, mas eu estava pensando sobre isso desde antes desse lance #forasarney-piratas do twitter-subcelebridades (link para um dos títulos de matéria mais maldosos que eu já li). E por quê? Porque se tem uma coisa que eu tenho acompanhado com fervor de noveleiro nesses últimos meses são os incríveis desdobramentos da Operação Satiagraha. Pra mim, ela tem sido diversão garantida, um roteiraço, com herói claudicante, vilão maquiavélico, juízes aloprados, jornais vendidos… Até a tradução do nome para o português é novelesca: “Resistência pela Verdade”. Um pouco corny, mas ainda sim.

Seria difícil resumir aqui num post a novela toda, mas a página da Wikipedia que eu linkei aí em cima é um começo. Fora que, dependendo da fonte em que se informa sobre, você pode contá-la de um jeito diferente. Mas um resumo mental de porque eu gosto tanto dela é algo assim (pode pular esses itens, se quiser):

    Ele tem barba, é um jovem

    Ele tem barba, é um jovem

  1. Protógenes Queiroz (vá lá, nosso Skywalker malajambrado), um delegado com várias operações cabeludas (e aplaudidas pela mídia) na bagagem, deflagra a prisão de Daniel “Darth” Dantas, banqueiro multitrilhardário, do Naji Nahas, investidor que quebrou a bolsa do RJ, e o sempre hilário Celso Pitta, entre outros;
  2. Gilmar Mentes, o Darth Maul do nosso Darth Vader, atropela todas as instâncias da Justiça (ahem) brasileira e aceita um habeas corpus pedido pelos advogados de Dantas (porque né, pra quê passar por tantos intermediários? Bate no STF logo);
  3. Como que já sabendo da estratégia, Protógenes entra com novo mandado de prisão para Dantas Vader, aceito pelo juiz de primeira instância Fausto de Sanctis, outro personagem importante da história. O pensamento deles, imagino, é que GilMaul Mendes não seria celerado o suficiente pra cagar duas vezes seguidas na cabeça de todo sistema judiciário nacional, ainda mais com a mídia olhando;
  4. Gilmar Mendes supreendes e faz exatamente isso, despachando de madrugada um segundo habeas corpus. Determinação em fazer justiça é isso aí. Lembrando que o único precedente na justiça de STF soltando banqueiro nessas condições era o do Salvattore Caciolla, que fez o quê? Fugiu. Ou seja, ÓTIMO precedente;
  5. Mais de 400 juízes assinam manifesto apoiando o de Sanctis, que além de tudo foi esculachado pelo Mendes na segunda decisão. Só faltou chamar de moleque (se é que faltou). Juízes do STF discordam, vira um bafafá dos diabos. Sem contar uma polêmica ridícula da proibição do uso de algemas, uma farofa inacreditável;
  6. Daí pra frente, a guerra é travada nos jornais e revistas: a Veja (que antes malhava o Dantas!) inventa, sério mesmo, inventa um grampo de um diálogo (totalmente inócuo) do Gilmar Mendes com outro carinha lá (é muita gente, não cobrem), e em cima disso começa uma campanha contra “o estado policial que ameaçava fincar estacas no coração da democracia” – juro procês que escreveram isso.
  7. Cria-se uma “crise” carnavalesca em cima disso que custa a cabeça do diretor da Abin, Paulo Lacerda (uma espécie de Yoda do nosso Luke), por teoricamente TER AJUDADO NA INVESTIGAÇÃO. Ou seja, da primeira vez que essa porra de Abin faz alguma coisa útil, o cara é mandado embora. O ponto é: do nada, passa a ser mais importante investigar um grampo sem nenhuma prova além da tinta da Veja e ignora-se o fato de que o esquema do Dantas com o Opportunity tinha desviado trocentos bilhões de reais;

Bem, vou parar de enumerar porque ninguém vai ler tudo isso mesmo. Mas olhe para o volume de texto que tem aí: ele prova que são muitas as razões pra acompanhar essa trama farsesca. E eu ficava INDIGNADO que no nosso mundinho classemédiablogosferaindiecooluniversopop um remix do Cut Cuty pro lado B do single descartado da Britney repercutia mais que absurdos como isso. E eu me perguntava: porra, ninguém mesmo quer saber sobre política?

Daí sou surpreendido pela recentíssima adesão em massa a um “protesto virtual” contra os atos secretos do Sarney. Lógico que é ridículo um cara empregar a família inteira no Senado, atos secretos pra aumentar salário etc., mas convenhamos, alguém não sabia disso, porra? Os Sarney têm o Maranhão só pra eles desde sempre. E alguém não sabia que Brasília é uma farra de cargos sem fim? Não que não seja necessário, mas se for pra limpar o negócio lá nesses termos, não sobra nem faxineiro.

Vou botar um desse aqui nocêis, ó

Fora que, a se comparar o rombo que o esquema de Dantas faz no erário, o salário dos contratados pelo Sarney é troco. Se comparar com os precedentes desgraçados que o Gilmar Mendes está abrindo na Justiça brasileira, desmoralizando o que parecia impossível de desmoralizar mais, o mal fica quase inofensivo.

“Mas pelo menos se faz alguma coisa!”, dizem os atuantes virtuais, reunidos debaixo do Masp. Sim, inegável, mas a pergunta que tem que ser feita tanto pros Piratas-#forasarneys quanto pros altamente suspeitos tô-nem-aí-pra-protesto-de-sofá-de-subcelebridades é, com o perdão da palavra, porque CARALHAS fazer um movimento “político” contra um peso morto como o Sarney, quando tem caras muito piores fazendo coisas absurdas debaixo dos nossos narizes? Get your priorities straight, man!

O que nos leva ao “debate” que está rolando atualmente em twitteres (estou levando essa merda muito a sério, vocês podem ver) e blogs e lugares afins: como se pode ser político nos tempos de interwebs?

Tomou fumo da crítica

Tomou fumo da crítica

A primeira figura que vem à baila nos debates é o Tico Sta. Cruz, por sua já extensa experiência no campo “pessoa conhecida que faz coisas políticas”. A acusação dos que não gostam é sempre de que sua banda não faz mais sucesso como antes (o que não é mentira) e ele faz isso “pra se amostrar”. Pesa contra o cara, também, que ele às vezes defende suas opiniões de forma chata pra cacete e volta e meia linka o (irc) Reinaldo Azevedo, mas preciso concordar com ele nesse ponto: o grande jogo, hoje, não é ficar em evidência? Male male, ele achou seu jeito. Quando a Beth Ditto mete a boca na Katy Perry exatamente na semana de lançamento do disco do Gossip, a meu ver é a mesma coisa. E ele (Tico) tem lá sua consistência ideológica, se mete em diversos assuntos faz tempo, não acho que se possa desmerecer o cara assim, de imediato. [EDIT: o fail da passeata dele, reportado pelo Estadão (ó o cara ganhando espaço aí), diz muito sobre a superdimensão que tanto ele quanto os críticos fazem da capacidade da internet mudar a opinião das mobilizar as pessoas politicamente.]

Agora esses twpiratas, bem, ingenuidade política não é nenhuma novidade no nosso combalido “star system” (entenda aqui, no post de título maldoso do caderno Link – que é do Estadão, o que de certa forma também o coloca em uma posição delicada para discutir atuação política). Os “piratas” (aliás, por que catzo esse nome?) são um exemplo bem acabado do que o Stephen Colbert batizou de “solitariedade“: “uma nova forma de ativismo, onde cidadãos passivamente observam abusos dos direitos civis para blogar melhor sobre eles da segurança da casa dos seus pais“.

Mas pra encerrar esse assunto logo, vou discordar um pouco de quem só fica tripudiando em cima dos caras. É a mesma coisa que ficar batendo no fato do emo estar na moda, “usando o rock’n’roll pra aparecer”. Bem, pelo menos é alguma coisa parecida com rock, coloca as guitarras de novo na moda, faz moleques montarem trocentas bandas ruins, mas uma ou outra coisa boa pode surgir disso.

Igual com política. Os caras estão liderando uma massa de pessoas jogando para a platéia por motivos equivocados, mas vai que um ou dois lá no meio dos seguidores criam algum senso crítico? Mais chances disso acontecer do que discutindo “cultura pop” o tempo todo, convenhamos.

Galera caga e anda mesmo

Caga e anda? Ao menos seja fofo about it

Lugares para ler, se você torce pro Protógenes:
Blog do Nassif
Terra Magazine

Se você torce pro Gilmar Mendes:
Blog do Reinaldo Azevedo
(não vou linkar pq é bad karma)